Tel.: (11) 3149-5190 | 0800-773-9973

logo home

Cientistas desenvolvem nanopartículas que podem ‘matar’ células cancerígenas

xINFOCHPDPICT000035002689

Nanopartículas poderiam matar ou enfraquecer células tumorais as aquecendo a altas temperaturas - Terceiro / Latinstock

 

RIO - Cientistas da Universidade de Surrey, no Reino Unido, desenvolveram nanopartículas inteligentes que aquecem a uma temperatura alta o bastante para “matar” células cancerígenas - mas que por serem auto reguláveis perdem calor antes que se tornem quente o suficiente para prejudicar o tecido saudável.

As nanopartículas poderão ser utilizadas em breve como parte da termoterapia para tratar pacientes com câncer, segundo o estudo publicado no jornal Nanoscale.

A termoterapia têm sido usada como método de tratamento contra o câncer, mas é difícil tratar o paciente sem danificar suas células saudáveis. Com a nova tecnologia, as células tumorais podem ser enfraquecidas ou mortas sem afetar o tecido normal. Isso porque as temperaturas seriam controladas de forma precisa em uma média entre 42°C e 45°C.

Cientistas do Instituto de Tecnologia Avançada de Surrey trabalharam com colegas da Universidade de Dalian de Tecnologia, na China, para criar as nanopartículas em que, quando implantadas e usadas em uma sessão de termoterapia, possam induzir temperaturas de até 45°C.

As nanopartículas produzidas para o estudo são auto reguláveis, o que significa que param por conta própria de aquecer quando alcançam temperaturas acima do ideal. Segundo o estudo, elas são também pouco tóxicas e seria improvável que causem danos permanentes ao corpo.

O professor Ravi Silva, chefe do Instituto de Tecnologia Avançada na Universidade de Surrey, explica: "Essa pode ser uma mudança em potencial na forma em que tratamos quem tem câncer. Se conseguirmos tratar colocando em um nível de temperatura alto o bastante para matar o câncer, enquanto que baixa o suficiente para parar os danos ao tecido saudável, isso prevenirá alguns dos sérios efeitos do tratamento".

O professor adjunto Wei Zhang, da Universidade de Dalian, acrescenta: "Indução magnética hipertermia é um caminho tradicional no tratamento contra tumores malignos. Contudo, as dificuldades no controle da temperatura têm restringido significantemente o seu uso. Se conseguirmos modular as propriedades magnéticas das nanopartículas, a temperatura terapêutica poderá se autorregular, eliminando o uso de sistemas de controle e monitoramento de temperatura".

 

Fonte: Site | O Globo

Busca rápida


Importante!

Os conteúdos disponíveis neste portal são exclusivamente educacionais e informativos. Em hipótese nenhuma deve substituir as orientações médicas, a realização de exames e ou, tratamento. Em caso de dúvida consulte seu médico! O acesso a informação é um direito de todos.

 

logo rodape parceria social v02