Tel.: (11) 3149-5190 | 0800-773-9973

logo home

Ministério da Saúde amplia lista de medicamentos do SUS com inclusão de oncológicos

Anúncio foi feito pelo Ministro Ricardo Barros, durante coletiva

xDM BOm6XcAAlZc .jpg.pagespeed.ic.AKDYVPwb3G

Coletiva de anúncio da nova Rename, com o ministro da Saúde, Ricardo Barros - Divulgação/Ministério da Saúde

 

RIO - O Sistema Único de Saúde (SUS) vai oferecer uma lista de medicamentos essenciais 25% maior a partir do ano que vem. Foram incluídos para 2018 na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) remédios para a assistência hospitalar e oncológica, que estavam fora da relação desde 2010. O anúncio foi feito no último dia 26 pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros.

— Antes (a Rename) era um documento burocrático interno nosso e agora transformamos em uma ferramenta para o usuário, gestor, profissional e órgãos de controle. É um facilitador de acesso de informações para todos e, tendo essa informação, evidentemente, as pessoas buscarão consolidar o seu direito de acesso a esses medicamentos — disse o ministro.

Com o incremento, a Rename contará com cerca de 1.100 medicamentos e insumos. A última lista continha 869 itens. Entre os medicamentos incluídos estão os anestésicos e adjuvantes, isoflurano líquido volátil, propofol 10 mg/ML, os antimicrobianos, vancomicina 500 mg, meropenem 500. Além dos medicamentos oncológicos imatinibe 400 mg e o tamoxifeno 20mg.

De acordo com o Ministério da Saúde, a proposta de inclusão de medicamentos oncológicos e hospitalares no SUS foi feita "com base na indicação e uso desses fármacos no país e no mundo". Por isso, "foram consultadas a lista de medicamentos essenciais da Organização Mundial de Saúde (OMS), protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas em oncologia, Formulário terapêutico nacional e medicamentos indicados por Comissões de Farmácia e Terapêutico (CFT) – presentes em todas as regiões do país".

A Rename padroniza os medicamentos indicados para a assistência no SUS. Ele está disponível na internet e recebe atualizações. Sua publicação ocorre a cada dois anos.

— A nova Rename também é um instrumento regulatório. A partir de agora ficará claro o que o estado tem que ofertar, o que o município tem que ofertar, na atenção básica, especializada e hospitalar, antes não tinha — disse Barros.

 

 

Fonte: Site | O Globo


Certificados

Busca rápida


Importante!

Os conteúdos disponíveis neste portal são exclusivamente educacionais e informativos. Em hipótese nenhuma deve substituir as orientações médicas, a realização de exames e ou, tratamento. Em caso de dúvida consulte seu médico! O acesso a informação é um direito de todos.

 

logo rodape parceria social v02