Menu
Conteúdo gratuito para pacientes de câncer e doenças do sangue, e seus familiares!

A magia das ervas

  

Imagem Ervas
Elas perfumam e aguçam o sabor das receitas e mais: podem ser muito úteis na alimentação de quem, por exemplo, anda inapetente por causa de tratamentos como a quimioterapia

Elas perfumam e aguçam o sabor das receitas e mais: podem ser muito úteis na alimentação de quem, por exemplo, anda inapetente por causa de tratamentos como a quimioterapia

Já não é de hoje que ouve-se muito falar da tal “dieta mediterrânea”. Estudos buscam comprovar por que a população das cidades e vilas localizadas no entorno desse mar, que banha o sul da Europa, parte do Oriente Médio e norte da África, vive tantos anos e com tanta saúde.

As respostas vêm de questões como clima, tradições milenares passadas de pai para filho, muita caminhada e – por que não? – até o convívio com um cenário deslumbrante. O mais importante, porém, está no prato: o padrão diário da alimentação mediterrânea está associado diretamente a uma condição mais saudável do corpo e até à prevenção de doenças como o câncer, diabetes tipo 2, hipertensão arterial, doença cardiovascular, obesidade.

A mesa está, afinal, repleta de vegetais multicoloridos, tem pouca carne e ainda pão de qualidade e cereais pouco refinados, frutas secas e doses incalculáveis de azeite fresco.

No meio disso tudo, surgem as ervas, aguçando o olfato, a visão (os pratos ficam lindos) e o paladar. Tomilho, manjericão, manjerona, alecrim, orégano e hortelã, cheias de elementos antioxidantes, compõem um universo infinito de aromas e sabores. Eles apetecem até o paladar mais resistente, tão comum, aliás, em pacientes em tratamento do câncer.

Com as ervas a comida fica melhor temperada, com jeitão mais natural, e a textura dos alimentos é valorizada também. Algumas apresentam até efeito cicatrizante contra as inflamações e aftas nas mucosas.

Sabemos que, no corre-corre de hoje, parece ser mais fácil comer um congelado pronto ou encarar um sanduíche “gordo” do que ter de escolher alimentos in natura, lavar, picar, preparar…Mas repare, há combinações infinitas na dieta mediterrânea, e isso facilita demais a vida de quem não tem todo o tempo do mundo para se dedicar às panelas. É ousar e experimentar: só não vale abrir mão das ervas. É possível até colocá-las em saquinhos de pano para perfumar a comida no momento da cocção. Ervas são mágicas, adote essa ideia.

GUIA DAS ERVAS

O que elas fazem e como usá-las

MANJERICÃO

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

Inibe o crescimento das células cancerígenas pela presença de flavonoides, substâncias que protegem o corpo da ação de radicais livres e dão força ao sistema imunológico.

  • No tratamento

Aumenta o apetite pelo seu perfume marcante, porém suave ao paladar.

  • Na cozinha

Manjericão e tomate nasceram um para o outro. Experimente um elixir contra radicais livres em forma de salada: pegue quatro a cinco tipos de tomate, misture com flor de sal, raspas de limão, manjericão, azeite, cebola roxa cortada bem fininha e pronto: eis uma salada dos deuses. Melhor ainda se você colocar queijo de cabra em bolinhas e pepino cortadinho.

ORÉGANO

 

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

Além de fazer as receitas mais saborosas, suas folhas são uma fonte abundante de antioxidantes e anti-inflamatório e fornecem potenciais benefícios anticancerígenos ao suplementar uma dieta equilibrada.

  • No tratamento

Azeite aromatizado com orégano: para um melhor aproveitamento das características para a saúde, ele deve repousar em óleo extravirgem, para que suas propriedades sejam melhor absorvidas pelo organismo.

  • Na cozinha

Companheiro do tomate, do pimentão, da berinjela, da abobrinha e das massas.

ALECRIM

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

Muito utilizado em aplicações medicinais, estimula o sistema imunológico, primordial quando o assunto é câncer no sangue.

  • No tratamento

Dá aroma e sabor aos pratos. Uma utilização pouco difundida é sua infusão. Feita na cozinha, ela perfuma o ambiente e alivia muito o cheiro de comida que fica no ar, depois que cozinhamos.

  • Na cozinha

Se você gosta daquele tostadinho que fica na carne quando está bem passada, atenção: compostos cancerígenos são formados quando a proteína ou gordura animal é queimada. O ácido rosmarínico do alecrim é antioxidante poderoso e neutraliza esses compostos.

MANJERONA

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

Rica em tanino, a manjerona é antioxidante, vasoconstritora e antisséptica.

  • No tratamento

Erva preferida da deusa Afrodite, simboliza alegria e basta seu perfume para que o astral de pessoas com depressão mude. Com isso, ela extrapola a cozinha e pode ser usada em sachês para os armários.

  • Na cozinha

Indispensável na cozinha mediterrânea, a manjerona combina com carnes, tomates, batata e arroz. Muito parecida com o orégano, ela tem um aroma mais fino, associando-se facilmente a outras ervas.

HORTELÃ

 

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

A revista científica norte-americana Industrial Crops and Products divulgou recentemente uma pesquisa cujo resultado mostrou que a hortelã previne o envelhecimento celular e também alguns tipos de câncer.

  • No tratamento

Auxilia na respiração, abre os canais olfativos e também é um poderoso calmante e hidratante, que pode ser consumido frio ou quente. Para isso, ferva a água, coloque as folhas de hortelã bem lavadas e deixe a infusão “tomar corpo”. Ao esfriar, ponha em uma jarra e guarde na geladeira por até três dias.

  • Na cozinha

Hortelã complementa sucos. Uma das combinações mais famosas é com abacaxi, porém durante o tratamento a dica é evitar, já que pode causar aftas. Também funciona como um delicioso tempero para saladas e pratos típicos do Oriente Médio.

TOMILHO

 

 

 

 

 

 

  • Prevenção

Contém vários flavonoides e é também uma boa fonte de manganês e vitamina K, o que lhe confere potente proteção antioxidante, prevenindo danos dos radicais livres e o estresse oxidativo, conhecido por aumentar o risco de câncer e doenças cardíacas.

  • No tratamento

Muitos pacientes queixam-se de inchaço ou retenção de líquido, ao longo do tratamento, e consumir bastante sal só reforça essa sensação. O uso de ervas como o tomilho incrementa o sabor da comida a tal ponto que o sal pode ser utilizado bem delicadamente – não fará falta.

  • Na cozinha

As folhinhas miúdas do tomilho são ricas em ferro, casam muito bem com carnes vermelhas,  molhos e queijos. Experimente assar uma roda de pão sírio com um pouco de azeite. Quando ficar sequinha, cubra com um pouco de mussarela de búfula picada, tomates cereja, tempere com tomilho (passe os dedos com força para retirar as folhinhas dos galhos) e regue com azeite. Leve ao forno só para o queijo derreter e descubra um novo jeito de fazer uma pizza leve e crocante.

PODE CONGELAR

O congelamento é o método de conservação ideal para as folhas frescas

Para isso, elas devem ser colocadas cuidadosamente em papel encerado ou papel-alumínio, untado previamente com azeite de oliva. Dessa forma, as folhas permanecem flexíveis e podem ser retiradas uma a uma, de acordo com a necessidade.

Deixe um comentário

  Receba um aviso sobre comentários nessa notícia  
Me avise quando