Menu
Conteúdo gratuito para pacientes de câncer e doenças do sangue, e seus familiares!

“Eu doei a minha medula”

  

Imagem Medula
A doação de medula óssea é simples e um grande exemplo de solidariedade

A doação de medula óssea é simples e um grande exemplo de solidariedade

“Hoje posso dizer que eu tenho dois filhos de sangue. ” Essa é a D. Suely Walton, a primeira doadora de medula óssea não aparentada, ou seja, de alguém que não é da família do receptor.

Foi ela que, em 1992, inaugurou um capítulo tão importante para o tratamento do câncer no Brasil, uma vez que o transplante de medula óssea, tantas vezes, é a grande esperança de cura para muitos pacientes com cânceres do sangue.

A partir da ação da D. Suely, o Brasil começou a desenvolver o seu banco de doadores, o Redome, hoje o terceiro maior do mundo. E por que é tão importante ser um doador? Porque a probabilidade de compatibilidade entre doador e receptor é mínima, na casa de 1 para 100 mil pessoas. Numa lógica matemática, fica fácil entender que quantos mais doadores mais chances de apenas um deles ser compatível com um de muitos receptores necessitados do transplante.

“Meu irmão tinha leucemia. Eu tentei ser a doadora dele, mas não havia compatibilidade. Na época não existia banco de medula. Mas assim que foi criado um, eu estava lá”, conta D. Suely, cujo irmão não resistiu ao câncer. “Hoje digo: ‘Doe por amor e não pela dor’. Isto é, a gente não precisa esperar que alguém da família tenha câncer para se mobilizar. Podemos nos disponibilizar como doadores já. É um bem enorme que fazemos para tanta gente”.

No caso de D. Suely, para mais de uma pessoa. Depois de ter os dados registrados no banco de doadores, eles são cruzados com os dos receptores. Se houver sinais de compatibilidade e se, na época da doação, de fato, o doador estiver em plenas condições físicas, é feita a retirada da medula. Esse processo, no entanto, geralmente demora. D. Suely, por exemplo, esperou cinco anos até surgir um receptor. Depois da primeira doação, surgiu outro, cinco anos mais tarde. E ela fez nova doação. Agora, participa ativamente de campanhas para incentivar as pessoas a se tornarem doadoras.

Doar a medula óssea é simples, embora ainda assuste muita gente. “A falta de informação gera alguns mitos, mas é tudo muito simples, mesmo. Como não estamos doentes, entramos e saímos do hospital com a maior rapidez. Depois, sentimos apenas um desconforto nas costas, área da pulsão, mas que dura 24 horas, no máximo”, conta. E conclui: “Saber que estamos dando uma vida nova para uma pessoa é uma felicidade profunda. Uma sensação que carregamos com a gente para sempre”.

Veja alguns dados levantados pelo REREME (Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea):

Doadores por região do Brasil

Receptores por região do Brasil

Doadores por raça, idade e sexo

Número de doadores cadastrados por raça, idade e sexo.

Receptores por raça, idade e sexo

Número de receptores cadastrados por raça, idade e sexo.

Entrada de novos doadores cadastrados

Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME)

Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea (REREME)

NÃO DESISTA!

Há casos em que a pessoa desiste de doar, mesmo depois de confirmada a compatibilidade e até mesmo depois de fazer os exames. A desistência, na grande parte das vezes, é causada pelo medo. E a informação pode acabar com ele. Doar a medula óssea é algo seguro, indolor e muito importante para o receptor.

Seja um doador e salve vidas! 

5
Deixe um comentário

4 Comentários da postagem
1 Respostas da postagem
0 Pessoas acompanhando a postagem
 
Comentário mais com mais reações
Comentário mais relevante
5 Comentários de autores
  Receba um aviso sobre comentários nessa notícia  
recentes antigos
Me avise quando
Clarice Miranda

Com certeza um dos fatores mais importantes para um paciente com câncer é o apoio familiar, seguido do apoio médico, enfermagem, etc. Tem que existir uma empatia entre médico e paciente, isso nos torna mais confiantes em vencer a doença. Sou eternamente grata a equipe que cuidou de mim durante minha quimioterapia no Einstein, ao meu médico e sua equipe
E agora estou na radioterapia, também com uma equipe fantástica. Eternamente grata a todos. Aos informativos da Abrale também. Pena não poder ser doadora de medula.

Sandra Mara

Infelizmente eu só fiquei mais a par da situação e informação após meu irmão sofrer , lutar e morrer com essa maldita leucemia, embora eu já fosse doadora de sangue e já participava no face da Abrale, leucemia zero e outros a respeito de Câncer.
Após a sua morte fui ao Hemocentro e me cadastrei , foi pela dor , mas sei que logo poderei ajudar outras pessoas e dessa vez pelo Amor.
Deus abençoe .

Valéria Victor

Sou de Campo Grande Rio de Janeiro, meu filho tem 18 e gostaria de doar a medula óssea, onde podemos ir? Eu fiz gastroplastia cirúrgica à sete meses, estou com minhas vitaminas todas okay, gostaria de saber se também posso doar (peso 63.900).

EVALDO ROCHA

http://m.youtube.com/watch?v=61r0j2WMogU(PEDIDO DE COLABORAÇÃO NA DIVULGAÇÃO DESTA MENSAGEM) “DOAÇÃO DE SANGUE”(HEMOMINAS/MINAS GERAIS(VER VIDEO)(OBRIGADO) AMIGOS, SABEMOS NÓS QUE OS BANCOS DE SANGUE DE NOSSA CIDADE E ESTADO DE MINAS GERAIS PRECISA SER SEMPRE ABASTECIDOS PARA QUE POSSAM AJUDAR DE IMEDIATO QUEM PRECISA. FIZ ESTA MENSAGEM PARA INFORMAR E CONSCIENTIZAR A DOAÇÃO DE SANGUE PARA QUEM PRECISA.QUEM PUDER, E QUIZER COLABORAR EM REPASSAR PARA AMIGOS, AGRADEÇO. VOLUNTARIO/ HEMOMINAS/MINAS GERAIS.(EVALDO ROCHA)(SAMBA)(MENSAGEM)