Menu
Conteúdo gratuito para pacientes de câncer e doenças do sangue, e seus familiares!

Ministro da Saúde apresenta principais resultados da pasta

  

Imagem Ministro
Este é o último mês da gestão de Ricardo Barros, que se candidatará a deputado federal, no Paraná

Este é o último mês da gestão de Ricardo Barros, que se candidatará a deputado federal, no Paraná

Por Tatiane Mota

Na manhã deste dia 8, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, esteve na Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) para apresentar os principais resultados de seu mandato.

Gestão de recursos e financiamento em saúde foram os temas mais abordados, em especial no que diz respeito à Oncologia.

O envelhecimento da população e os altos preços dos medicamentos são alguns dos desafios enfrentados, de acordo com o ministro. “Os recursos são finitos e somente com uma boa gestão é que conseguiremos ter uma boa Saúde. É preciso fixar preços de medicamentos, por meio da política de compra, e vejo a informatização do sistema como chave do problema. 50 bilhões de reais poderiam ser economizados se parássemos de investir em demandas, como consultas e exames, sem necessidade”, comentou.

Atualmente, mais de 18 mil Unidades Básicas de Saúde já contam com prontuário eletrônico, mas 24 mil ainda faltam aderir ao sistema. A ideia é que, até o final de 2018, 100% das unidades estejam completamente informatizadas.

“A informatização já existe em vários municípios, muitos com sistema completo, como queremos. E isso tem ajudado em 30% na economia em medicamentos e insumos”, comentou.

Fábio Fedozzi, diretor executivo da Abrale, durante encontro com o ministro da saúde, Ricardo Barros

Com a nova Rename (Relação Nacional de Medicamentos Essenciais), sistema de informação que orienta a oferta, prescrição e dispensação de medicamentos oncológicos e hospitalares nos serviços do SUS, é possível economizar 1,5 bilhão de reais por ano.

“A iniciativa, já implantada em Tocantins, Alagoas, Rio Grande do Norte e Distrito Federal, pode evitar desperdícios de até 30% dos fármacos entregues. Somente no projeto-piloto, 20 milhões de reais foram economizados”, salientou Barros.

Com relação ao repasse de recursos para os estados e municípios, o ministro pontuou que este é era um dos grandes avanços de sua gestão, com a simplificação do processo. “Agora, o dinheiro é repassado em um bloco de investimentos e só. Municípios e estados decidirão como aplicar os recursos da saúde”.

E sobre a radioterapia garantiu: “Até o final de 2019, teremos 136 aparelhos em funcionamento no Brasil, garantindo o efetivo funcionamento da lei dos 60 dias de início do tratamento do câncer”.

Abrale marcou presença!

Na ocasião, Fábio Fedozzi, diretor executivo da Abrale e membro do Movimento Todos Juntos Contra o Câncer esteve presente e, além de entregar alguns materiais informativos ao ministro, também pôde dividir algumas ideias de atenção à Oncologia do Brasil.

“Oportunidades como esta, de estar em contato direto com quem representa a Saúde do país, como o ministro Ricardo Barros é sempre importante para alimentar e fortalecer a discussão das melhorias que sabemos ser necessárias para um melhor acesso ao tratamento no país”, diz Fábio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *