Menu
Conteúdo gratuito para pacientes de câncer e doenças do sangue, e seus familiares!

PTI em mulheres

  

Imagem Mulher Flores
Gravidez, menstruação e autoestima são temas bem comuns entre as pacientes

Gravidez, menstruação e autoestima são temas bem comuns entre as pacientes

Por Tatiane Mota

A trombocitopenia imune primária (PTI) é uma doença do sangue que acontece devido à baixa de contagem das plaquetas.

Para entender melhor, as plaquetas são células responsáveis pela coagulação do sangue e sua quantidade normal no organismo gira em torno de 350 mil / μl. Já nos pacientes de PTI, elas podem chegar a 100 mil / μl ou até menos, e por isso sangramentos espontâneos e hematomas são alguns de seus sintomas.

São duas as formas mais frequentes da doença: aguda, que afeta mais as crianças e muitas vezes o próprio organismo reverte o quadro, e crônica, com longa duração e necessidade de um tratamento específico.

Esta segunda chega a ser até três vezes mais comuns em mulheres em idade fértil e por isso dúvidas quanto ao período menstrual e gravidez são muito comuns.

De acordo com a Dra. Ana Clara Kneese Nascimento, hematologista da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, pacientes com PTI podem sim engravidar. Mas alguns cuidados serão necessários.

“Algumas pacientes podem apresentar problemas menstruais, mas isso não é comum e deve ser reportado ao médico. Dentre os motivos estão ativação inflamatória, estresse ou alteração provocada pelo uso de corticoide. Quanto à gravidez, mulheres com PTI podem sim ter seu bebê e construir uma família. Porém, o acompanhamento de perto por parte do hematologista será fundamental”, explica a médica.

A escolha do parto também gera dúvidas entre as pacientes, mas de acordo com a Dra. Ana Clara tudo dependerá da contagem plaquetária.

“O ginecologista é quem definirá a melhor opção. A princípio ele pode ser vaginal. Agora caso haja previsão de dificuldades no trabalho de parto ou de bebê grande pelo uso de corticoides, talvez seja preferível a cesárea”, explica a médica.

Embora a PTI não seja uma doença hereditária, há chances de o bebê nascer plaquetopênico (com plaquetas baixas). “Mas não é necessário se preocupar. Em três semanas elas irão normalizar espontaneamente, sem necessidade de qualquer tratamento”, avisa a Dra. Ana Clara.

Outras dúvidas corriqueiras entre as mulheres com PTI correspondem às mudanças físicas causadas pelos sintomas da doença (hematomas e manchinhas vermelhas pelo corpo, conhecidas como petéquisas) e também pelo tratamento com corticoides.

No mercado de cosméticos é possível encontrar maquiagens de alta coberta, como bases e corretivos, que podem amenizar as marcas na pele. “Mas a qualquer sinal de alergia, avise o médico e deixe de usar o produto”, alerta a médica.

Já o tratamento com corticoide, um terror entre as pacientes por causar inchaço e aumento de peso, infelizmente não tem como mudar. Mas com uma alimentação adequada e prática de atividades físicas leves é possível melhorar este quadro.

Veja dicas em Sem medo dos corticoides e Movimente-se 

Deixe um comentário

  Receba um aviso sobre comentários nessa notícia  
Me avise quando